News

29% dos brasileiros monitoram saúde e condição física por meio de aplicativos e wearables, segundo a GfK

Uma recente pesquisa internacional da GfK realizada com mais de 20.000 usuários de internet de 16 países, revelou que 29% dos brasileiros monitoraram a própria saúde e condição física por meio de aplicativos móveis, pulseiras, clipes e relógios inteligentes.  O percentual coloca Brasil e Estados Unidos lado a lado na segunda posição do ranking dos países em que esse hábito é mais popular.  A lista é liderada pela China, onde 45% dos entrevistados declarou fazer uso de tais recursos para fins de monitoramento das condições físicas e de saúde.  Na terceira posição da lista está a Alemanha (28%), se guida pela França (26%).

Dentre os países estudados, cinco se destacaram por apresentar um maior número de mulheres entre os adeptos do hábito: a China (48% das mulheres e 43% dos homens), a Rússia (21% das mulheres e 17% dos homens), a França (27% e 25%), a Austrália (20% e 18%) e o Canadá (20% e 19%). No Brasil a diferença é de apenas 1 ponto percentual em favor das mulheres.

A análise dos resultados por faixa etária demonstra que no Brasil, o hábito é mais popular entre os entrevistados com 20 a 29 anos de idade (36%). Os entrevistados adolescentes (de 15 a 19 anos) concentram o maior número de pessoas que já monitoraram sua saúde e condição física no passado, mas que não o fazem atualmente.  “Isso sugere que o mercado oferece oportunidades para reconquistar um grande volume de “ex-adeptos, com ofertas ou mensagens certas enviadas pelos varejistas ou fabricantes”, explica a diretora de Market Opportunities & Innovation da GfK, Eliana Lemos.  “Essas descobertas demonstram a atração que o monitoramento da saúde e da aptidão física exercem sobre grupos muito mais amplos do que o público óbvio, que seriam os jovens esportistas.  Fabricantes e varejistas podem usar essas percep&ccedi l;ões, combinadas com nossos dados de vendas de wearables, para entender quem são seus usuários na vida real, e para ajustar suas estratégias”, complementa a executiva.

As razões para monitorar

A GfK também pediu aos mais de 4.900 entrevistados que declararam monitorar a saúde ou atividade física que apontassem que motivos que os levam a fazer esse acompanhamento.  A manutenção ou melhoria das condições físicas foi a principal razão, apontada por 55% da amostra.

   Para manter ou melhorar minhas condições ou aptidões físicas 55%
   Para me motivar a fazer exercícios 50%
   Para melhorar meu nível de energia 35%
   Para me motivar a comer e beber saudavelmente 34%
   Para melhorar o sono 29%
   Porque é parte de minha rotina diária 29%
   Para perder peso 29%
   Para ser mais produtivo 24%
   Porque é divertido 22%
   Para monitorar ou rastrear uma condição de saúde específica 17%
   Para treinar para um evento (corrida, esporte, etc.) 14%
   Para competir com outras pessoas 8%
   Por alguma outra razão 2%
   Não sabe dizer 1%
Fonte: Pesquisa da GfK com mais de 4.900 usuários da internet (com mais de 15 anos) em 16 países, que, atualmente, monitoram sua saúde ou aptidão física; pergunta de múltipla escolha; Trabalho de campo realizado entre junho e agosto de 2016.

Sobre o estudo

A GfK conduziu a pesquisa online com mais de 20.000 consumidores de mais de 15 anos de idade, em 16 países. O trabalho de campo foi concluído entre junho e agosto de 2016. Os dados foram ponderados para refletir a composição demográfica da população online com mais de 15 anos em cada mercado. A pesquisa foi feita na Argentina, Austrália, Bélgica, Brasil, Canadá, China, França, Alemanha, Itália, México, Holanda, Rússia, Coreia do Sul, Espanha, Reino Unido e EUA.