News

CIMES debate a inovação e o impacto da indústria 4.0 na Saúde

Sob o tema Saúde 4.0 – Inovação e Conectividade começou nesta quinta-feira, o 6º CIMES (Congresso de Inovação em Materiais e Equipamentos para Saúde), evento realizado pela ABIMO (Associação Brasileira da Indústria de Artigos e Equipamentos Médicos, Odontológicos, Hospitalares e de Laboratórios), com a participação de representantes da indústria, da academia e do setor regulatório na área da saúde.

O presidente da Abimo, Franco Pallamolla, explicou que o evento pretende debater temas como conectividade, inovação, segurança dos dados e internet das coisas, temas que terão forte impacto em toda a indústria, e que servirão para que a entidade possa ter uma visão de futuro para ajudar a orientar o desenvolvimento das empresas associadas, a maioria de pequeno porte.

O presidente do Sinaemo e diretor titular do ComSaúde, Ruy Baumer, ressaltou que este ano o congresso tem o maior público de todos até o momento e também a importância de debater o tema: “Temos aqui mais de 30 entidades que trabalham voltadas ao tema – órgãos de governo, centros de pesquisa e empresas – que a organização do CIMES traz no intuito de dar direcionamentos efetivos”.

João Paulo Pieroni, chefe de departamento do Complexo Industrial e de Serviços de Saúde do BNDES, explicou que o Banco tem a saúde como uma das prioridades de atuação e ressaltou a necessidade de que sejam aprimorados os investimentos em inovação. Relatou o andamento do Plano Nacional de IoT, cuja primeira proposta deverá ser divulgada em setembro, explicando que ontem houve uma reunião com o grupo temático de saúde, um dos segmentos prioritários do plano, ocasião que foram debatidas questões como quais os principais segmentos saúde que devem ser desenvolvidos, quais os gargalos a ultrapassar para cumprir esses objetivos, para que possa se traçar um plano de ação estratégico paro pais. “O setor de saúde é um mundo, por isso precisamos definir prioridades”, enfatizou.

O diretor de comunicação do Conasems (Conselho Nacional de Secretarias Municipais de Saúde), Diego Espindola de Avila, falando sobre a importância da conectividade, ressaltou a relevância da tecnologia de telemedicina para o acesso à saúde por pessoas de cidades mais afastadas. Ele citou a iniciativa pioneira do estado do Rio Grande do Sul, onde atua também como presidente do conselho de secretarias municipais de saúde, que por meio de telemedicina disponibiliza o auxílio especializado para o atendimento a distância de pacientes vítimas de urgências e emergências cardiovasculares e que residem em áreas ou cidades de difícil acesso. “Ações similares estão sendo pensadas também para as áreas de oftalmologia e neuro”, explicou.

Miguel Antonio Cedraz Nery, diretor da ABDI, falou sobre a importância estratégica do setor de saúde para a competitividade do país. “Nossa indústria tem que avançar a passos largos no sentido de garantir um alinhamento no que temos de tecnologia avançada no mundo”, disse citando iniciativas como o a expansão do programa Brasil Mais Produtivo, que deve receber mais R$ 50 milhões de recursos.“

Disse ainda que, em parceria com MDIC, a ABDi está desenvolvendo uma plataforma de hospital inteligente com alocação de tecnologia de ponta para disseminar para a cadeia hospitalar.

Representando o Ministério da Saúde, o secretário da Secretaria de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos, Marco Fireman, afirmou que ser empresário no Brasil é um grande desafio devido à falta de políticas públicas e que é em eventos como o CIMES que os empresários têm voz. Para ele, o Brasil ainda vive um momento muito incipiente no que diz respeito à integração entre os players envolvidos: “Falta a gente conectar a inovação com universidade, centros de pesquisa e indústrias”.·.

Para Marcos Vinícius de Souza, secretário de Inovação e Novos Negócios do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, a escolha dos temas pela comissão científica do CIMES foi muito feliz. “Esses pontos que serão abordados estão alinhados com o que estamos discutindo no governo, dentro de três áreas de atuação”, explicou, referindo-se à portaria do MCTIC que cria um grupo de trabalho interministerial para elaborar a Estratégia Digital Brasileira, com as prioridades do país na chamada economia digital.

Ele também ressaltou o lançamento, em 1º de agosto, da consulta pública da “Estratégia Brasileira para a Transformação Digital”. Trata-se de um conjunto de diagnósticos, diretrizes e metas, para os próximos cinco anos, relacionado às áreas de governo eletrônico, infraestrutura, processos produtivos, pesquisa e desenvolvimento, confiança e ambiente digital e capacitação com foco no desenvolvimento na adoção e uso de TICs, por todas as camadas da sociedade e participação do Brasil na economia digital.

Disse que o Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social solicitou até o final de setembro a proposta do marco legal de Ciência e Inovação e da revisão da Lei do Bem, para incentivar a indústria nacional.

“Jarbas Barbosa da Silva Júnior, diretor-presidente da Anvisa, reconheceu que a competitividade da indústria da saúde, desafia o órgão regulador a ser mais adaptável e flexível” Disse que a agência tem discutido formas de regulação para regras mais rápidas para importação de materiais de pesquisa e priorização de análises.

Representando o Ministério da Saúde, o secretário da Secretaria de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos, Marco Fireman, afirmou que ser empresário no Brasil é um grande desafio devido à falta de políticas públicas. “O Brasil ainda vive um momento muito incipiente no que diz respeito à integração entre os players envolvidos, Falta a gente conectar a inovação com universidade, centros de pesquisa e indústrias”.

A secretária de estado Secretaria de Estado dos Direitos da Pessoa com Deficiência, Linamara Rizzo Battistella, abordou a necessidade do engajamento do cliente, do paciente e do médico para que a conectividade funcione e faça sentido: “Estamos falando de um novo mundo onde, dentro dos objetivos do desenvolvimento sustentável, fala-se de melhor saúde para todos e qualidade de vida”, iniciou. “Quando falamos do modelo 4.0, onde o mundo digital gira mais perto do objetivo final, que é o paciente, estamos revertendo uma política hospitalocêntrica, para um atendimento cada vez mais especializado.”
Segundo a secretária, essa mudança impacta no custo, no acesso e acima de tudo, na qualidade. “Adicionar novas tecnologias à saúde tem sempre um grande significado, não apenas como na inovação, mas como garantia do acesso qualificado.

Patrocínio Gold

Patrocínio Silver

Patrocínio Bronze

 

Patrocínio WIFI

Apoio

Parceiro de Mídia

Parceiros Institucionais

Realização