News

Gastos com wearables de saúde devem atingir US$ 60 bilhões até 2023

Pesquisa da Juniper Research revelou que wearables, incluindo rastreadores de saúde e dispositivos remotos de monitoramento de pacientes, devem se tornar “essenciais” na prestação de cuidados de saúde. 2023. Enquanto isso, aparelhos auditivos de assistência, ou aparelhos auditivos conectados disponibilizados por meio de prestadores de serviços de saúde, bem como diretamente aos clientes em modelos de preços variados, significarão que este setor irá gerar receitas de mais de US$ 40 bilhões até 2022.

A nova pesquisa, “Digital Health: Disruptor Analysis, Country Readiness & Technology Forecasts 2018-2023”, descobriu que a adoção de wearables de saúde será impulsionada por melhorias na tecnologia de monitoramento remoto de pacientes, além de maior adoção por instituições médicas. A Juniper prevê que 5 milhões de pessoas serão monitoradas remotamente pelos profissionais de saúde até 2023.

A pesquisa prevê que a capacidade avançada de análise de software habilitada por IA para identificar de forma proativa os indivíduos em risco de agravamento da condição irá testemunhar maior confiança entre médicos e reguladores em relação à precisão do sensor.

Wearable se tornará uma oportunidade de serviço de US$ 855 milhões

Como os vestíveis se tornam parte dos planos de tratamento dos pacientes, os OEMs procurarão ajustar seus modelos de negócios e gerar receitas a partir de dispositivos monitorados. Por exemplo, vendendo dados produzidos pelos dispositivos para provedores de seguros. A Juniper prevê que as receitas de serviços desta natureza atingirão US $ 855 milhões até 2023.

No entanto, a privacidade e o consentimento de dados continuarão a ser uma barreira significativa. A melhoria dos sistemas de saúde, como o uso de análises de software habilitadas por inteligência artificial, depende do anonimato dos dados do paciente. Alguns provedores de seguros estão mudando a dinâmica. Para serem abrangidos, requerem um feed de dados do dispositivo do detentor da apólice.

O autor da pesquisa, Michael Larner, acrescentou: “É vital que os pacientes sejam informados de como seus dados pessoais serão usados. Caso contrário, tornar os vestíveis “obrigatórios” para fornecer atendimento personalizado ou receber riscos de seguro médico é uma reação dos pacientes e um exame regulatório mais rigoroso; paralisando a eficácia do monitoramento remoto”.