News

IBM e Pfizer criam sistema para apoiar pacientes com Parkinson

A IBM e Pfizer estão colaborando para criar um sistema de monitoramento remoto para apoiar pacientes com doença de Parkinson. Esta abordagem em tempo real, não invasiva aos dados do paciente vai oferecer novos insights sobre os planos de progressão da doença e tratamento. Através da aplicação de análises avançadas e aprendizagem de máquina do sensor de dados, o objetivo é de transformar a maneira como as doenças neurológicas são diagnosticadas e tratadas.

A doença de Parkinson, em particular, requer um ajuste contínuo de medicação, dependendo da progressão da doença e da resposta do paciente. A colaboração visa criar uma visão holística de bem-estar do paciente, procurando medir com precisão uma variedade de indicadores de saúde, incluindo a função motora, discinesia (movimentos repetitivos involuntários)  cognição, sono e atividades diárias, tais como vestir e comer. Insights a partir desses dados poderiam ajudar os médicos a entender o efeito da medicação de um paciente na medida em que a doença progride, permitindo-lhes ajudar a otimizar o regime de tratamento do paciente, conforme necessário. Os dados gerados através do sistema também podem munir pesquisadores com os insights e evidências do mundo real necessário para ajudar a acelerar potenciais terapias novas e melhores.

De acordo com a Organização Mundial de Saúde, desordens neurológicas, incluindo a doença de Parkinson, doença de Alzheimer, acidente vascular cerebral, esclerose múltipla e impacto epilepsia atinge quase um bilhão de famílias em todo o mundo e são responsáveis ​​por 12% do total de mortes globalmente. Muitas doenças dIBM Research Data Scientist Eric Clark explores wearable technologies that could help monitor and analyze biological data from study subjects on Thursday, April 7, 2016 at IBM's T. J. Watson Research Center in Yorktown, NY. IBM and Pfizer are collaborating to create a first-of-a-kind remote monitoring system to support patients with Parkinson’s disease. This non-invasive, real-time approach to patient data will offer new insights into disease progression and treatment plans. By applying advanced analytics and machine learning to sensor data, the hope is to transform how neurological diseases are diagnosed and treated. (Feature Photo Service)o cérebro, coluna vertebral, e nervos são condições progressivas que pioram com o tempo e pode criar movimento descontrolado, prejudicar a capacidade de pensar, e causar outros sintomas debilitantes que afetam a qualidade de vida do paciente. Aproximadamente 60 mil americanos são diagnosticados com a doença de Parkinson cada ano de acordo com a Fundação da Doença de Parkinson, e um número estimado de 7 a 10 milhões de pessoas sofrem com a doença globalmente.

“Nós temos uma oportunidade para redefinir potencialmente sobre como pensamos os resultados dos pacientes através do monitoramento 24/7, da combinação de conhecimentos científicos, médicos da equipe da Pfizer junto com a capacidade da IBM para integrar e interpretar dados complexos de formas inovadoras”, disse Mikael Dolsten, MD, Ph .D., presidente da Pfizer Worldwide Pesquisa e Desenvolvimento. “A chave para o nosso sucesso será a de fornecer um sistema confiável, escalável de medição e análise que ajudaria a informar os nossos programas clínicos em todas as áreas importantes de necessidade médica não atendida, potencialmente acelerar o desenvolvimento de medicamentos e processos de aprovação regulamentar e nos ajudar a obter melhores terapias aos pacientes, mais rápido.”

“Com a proliferação de informações de saúde digitais, uma área que permanece indefinida é a coleta de dados fisiológicos em tempo real para apoiar a gestão da doença”, disse Arvind Krishna, vice-presidente Sênior e Diretor da IBM Research. “Estamos testando maneiras de criar um sistema que passivamente coleta dados com pouca ou nenhuma carga sobre o paciente e para fornecer aos médicos e pesquisadores conhecimentos objetivos em tempo real, que acreditamos que poderia mudar fundamentalmente a maneira como os pacientes são monitorados e tratados.”

As duas empresas preveem que o sistema vai passar para o teste clínico inicial rapidamente.  Elas vão reunir um conselho consultivo externo de grupos de pacientes, organizações de defesa, médicos e neurocientistas para orientação sobre o uso da tecnologia, dispositivos médicos, gerenciamento de dados e protocolos de pesquisa,  para assegurar que as necessidades dos pacientes orientem o programa.

Internet das Coisas em Saúde

Este projeto é um marco significativo no trabalho da IBM para avançar tecnologias Internet das Coisas (IOT) em saúde. O Hospital Emory University criou uma UTI instrumentada usando tecnologia de análise de streaming da IBM, para evoluir na prática de medicina preditiva para pacientes críticos na UTI. O novo sistema permitirá que os médicos possam compilar, analisar e correlacionar dados médicos em um volume e velocidade que nunca foi possível antes. Especialistas em cuidados intensivos neonatais na Universidade de Ontario Institute of Technology estão contando com o mesmo software para analisar mais de 1.000 peças de informação única por segundo que flui a partir de sensores e equipamentos de monitoramento de bebês prematuros, ajudando cuidadores a detectar o aparecimento de infecções sepse até 24 horas antes.

E a Medtronic está trabalhando com a IBM Watson Saúde para criar um aplicativo cognitivo para analisar dados em tempo real a partir de dispositivos da fabricante para ajudar a detectar padrões e tendências importantes para pessoas com diabetes.