News

Óculos de realidade virtual e bengala com laser ajudam pacientes com Parkinson a caminhar

Voltar a caminhar depois de ter o equilíbrio corporal comprometido pelo avanço da doença de Parkinson parecia um sonho distante para milhares de pessoas que sofrem com a síndrome degenerativa, ainda sem cura. Ajudar esses pacientes a caminhar com segurança novamente é a proposta do Andador Virtual GaitAid e da bengala Laser Cane.

Com uso da tecnologia de realidade virtual aumentada, descoberta em pesquisas realizadas pela NASA, os óculos ajudam o observador a andar e estabilizar seu movimento. Basicamente, eles simulam um caminho virtual que coordena e ritma a passada, desencadeando uma resposta neurológica. Segundo os especialistas, a terapia feita com o uso do dispositivo pode reestruturar o cérebro para contornar as áreas danificadas pela doença de Parkinson, e outros distúrbios do movimento.

Andador virtual
Andador virtual

Os benefícios já foram comprovados na prática. O advogado Jayme Cavalcanti convive com o mal há 20 anos. “Depois de duas semanas de uso do equipamento, voltei a andar melhor”, diz ele, que treina meia hora por dia, sete dias por semana. “Facilitar o dia a dia dos pacientes é fundamental, pois estamos longe da cura definitiva”, afirma o neurocirurgião do Instituto de Psiquiatria do Departamento de Neurologia da Faculdade de Medicina da USP, e um dos maiores especialistas no tema, Erich Fonoff. O artigo sobre estudo feito no HC foi publicado no International Archives of Medicine.

Já a bengala LaserCane, indicada também para diversos doenças neurológicas que afetam a marcha, permite, através de uma linha vermelha projetada no chão, que o paciente dê passos mais longos. “A pista visual incentiva o paciente a interromper os episódios de congelamento, aumentando, assim, o comprimento das passadas”, afirma a dra. Carolina Souza, fisioterapeuta do Instituto de Psiquiatria da Faculdade de Medicina da USP.

Segundo a Organização Mundial de Saúde, cerca de seis milhões de pessoas convivem com a síndrome em todo mundo e a prevalência da doença deve dobrar, em 20 anos, devido ao envelhecimento da população. Os dois equipamentos são comercializados no Brasil pela importadora Delta Medical.