Blog News

A revolução nos serviços de saúde e o protagonismo das healthtechs

Estudo realizado pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) e pela Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) apontou que cerca de 70% dos brasileiros não têm plano de saúde e 56% acreditam que a saúde pública piorou nos últimos 12 meses.  Dentre as constantes reclamações dos usuários, os grandes aumentos no valor pago lideram o ranking.

Essa situação acabou abrindo um gap que só as healthtechs têm musculatura para suprir: serviços a preços acessíveis e com qualidade garantida. As startups estão presentes em quase todos os ramos de negócios, com soluções inovadoras e que facilitam muito a vida da sociedade. Foi assim com a criação de aplicativos de transporte, pessoas, carga, plataformas de hospedagem, espaços de coworking e muitos outros.  E por que não na área da saúde?

Atualmente, já é possível agendar consultas a preços acessíveis apenas com um clique no celular. A tarefa de marcar exames está muito mais simples e os pacientes têm à disposição serviços de concierge que ajudam na escolha do laboratório mais viável.

A tecnologia já é aliada na coleta dados clínicos de pacientes com câncer, trazendo informações, como quais medicamentos estão tomando e suas reações. Esse exemplo real surge após a Roche, farmacêutica suíça com 120 anos de história, ter adquirido a startup Flatiron Health, fundada em 2012, por US$ 1,9 bilhão. O próprio CEO da Roche Pharmaceuticals, Daniel O’Day, chegou a afirmar que a aquisição vai colaborar para pesquisas e desenvolvimentos no setor oncológico de toda a indústria.

Toda a iniciativa que facilite a vida dos seres humanos atreladas à tecnologia, será uma tendência cada vez mais forte. Outro exemplo é a gigante Amazon, o marketplace que vende diversos tipos de produtos e insumos. Agora avança no mercado de phamarcy benefit management (PBM) no exterior, criando competência para gerir milhões de vidas em modelos totalmente focados nos pacientes.

Os exemplos não param por aí. A Apple quer transformar o IPhone em um prontuário eletrônico pessoal e fazer com que seus milhões de desenvolvedores disponibilizem aplicativos utilizando estes dados. Já a Google aperfeiçoa seus softwares por meio de parcerias – em especial suas competências inigualáveis em inteligência artificial e big data. Um ótimo exemplo é a Verb, parceria com a J&J, para disponibilizar cirurgia 4.0 nos próximos anos. O Facebook tem projetos de detecção precoce de suicídio e recrutamento para estudos clínicos. Já a Microsoft criou recentemente uma divisão dedicada ao setor da saúde e contabiliza o maior número de patentes.

Nesse movimento de mudança nos serviços, quem mais sai beneficiado é a população, que consegue um aumento na oferta e na qualidade, além da diminuição dos valores, possibilitando a adesão de maior número de pessoas, revertendo a situação atual, na qual apenas 24,5% dos brasileiros possuem planos de saúde, segundo dados da ANS de dezembro de 2017.

Mauricio Trad, CEO do Doutor123.

Patrocínio Silver

Patrocínio Bronze

 

Patrocínio WIFI

Apoio

Parceiro de Mídia

Parceiros Institucionais

Realização