News

UCLA usa óculos de rastreamento para simular atendimento da enfermagem

Estudo realizado por pesquisadores da UCLA School of Nursing, dos EUA,  mostra que o uso de tecnologia de rastreamento ocular poderia melhorar o ensino de enfermagem, reduzindo o papel das avaliações subjetivas e fornecendo resultados mais consistentes.

Com mais de 400.000 mortes por ano em hospitais de causas evitáveis, garantir a segurança dos pacientes depende de educadores de saúde para treinar e certificar profissionais competentes. Até agora, os educadores têm  utilizado avaliações que são, principalmente, subjetivas e fornecem resultados inconsistentes para determinar a competência.

ucla

A tecnologia de rastreamento ocular foi usado para testar e treinar pilotos de avião. Na UCLA School of Nursing ,pesquisadores decidiram testar se ele poderia ser usado para determinar diferenças na conclusão de tarefas entre novatos e enfermeiros experientes durante o treinamento de simulação.

Enfermeiros especialistas têm cinco ou mais anos em serviços de urgência e cuidados intensivos. Os novatos são considerados os estudantes de graduação em enfermagem. Os resultados demonstram que o uso desta tecnologia só poderia ser a resposta na avaliação de desempenho clínico da enfermagem.

“A segurança do paciente exige enfermeiros ser competente, mas não houve nenhum método objetivo para garantir essa competência de maneirae uniforme,”, disse Mary Ann Shinnick, professora pesquisadora e assistente na UCLA School of Nursing. “O uso de eye tracking pode ajudar na avaliação e formação e pode fechar a lacuna da subjetividade tradicional.”

OS óculos de rastreamento ocular usar a tecnologia de sensores embutidos, câmera de vídeo discreta e tecnologia para rastrear os movimentos da pupila de uma pessoa, de modo que ele sabe exatamente onde os olhos de uma pessoa estão focados. Ele observa e registra o comportamento do olho tais como a dilatação da pupila e também registros em que a enfermeira está concentrando sua atenção.

Neste estudo, a tecnologia de rastreamento ocular foi utilizada para comparar as respostas de desempenho em sete tarefas básicas de enfermagem – como a colocação de um oxímetro de pulso em um dedo, ouvindo sons de pulmão, a aplicação de um dispositivo de fornecimento de oxigênio – entre enfermeiros peritos de dois hospitais e 35 estudantes de enfermagem em uma simulação de um paciente com insuficiência cardíaca que estava com falta de ar. A prova escrita foi administrada a todos os participantes para garantir que ambos os grupos tinham conhecimento equivalente e compreensão da insuficiência cardíaca e como cuidar deste tipo de paciente.

Os dados de rastreamento ocular mostrou uma acentuada diferença entre a forma como os novatos e os enfermeiros mais experientes processavam as informações em um ambiente “real”. Enquanto os estudantes gastaram uma quantidade significativa de tempo a olhar para os dados que não era relevante para o problema imediato do paciente, os especialistas pareciam saber o que era importante e foram capazes adquirir as informações pertinentes muito mais rápido. Dos sete tarefas, todos os alunos foram capazes de completar apenas um, enquanto que aqueles no grupo de peritos completou quatro dos sete. O “tempo para conclusão da tarefa” também foi significativamente diferente entre os grupos em 5 de 7 tarefas.

Shinnick, que também foi diretora de simulação na UCLA School of Nursing, diz que  “esta capacidade de discernir rapidamente a informação é vital, e concentrar a atenção nas áreas de relevância como demonstrado pelos enfermeiros especialistas, pode ser usado como um modelo poderoso para ajudar a enfermeiros novatos a ganhar conhecimento da situação e refinar o seu foco, observando questões que exigem atenção imediata e, posteriormente, melhorar o desempenho clínico.”

“O eye tracking pode ajudar também na formação de enfermeiros novatos, pois gravações podem ser compartilhadas com os alunos para que eles possam saber quais as áreas são importantes na situação para focar e quais não são”, explica.

A pesquisa está em curso para testar ainda mais a utilidade do óculos de rastreamento ocular como uma ferramenta de avaliação em simulação e em ambientes clínicos. Isso está sendo feito com análise de vídeo e pontuação de competência tanto por docentes de enfermagem experientes e especialistas clínicos, que rotineiramente realizam avaliações de enfermeiros, com o objetivo de assegurar a confiabilidade e objetividade da solução como um método de simulação e avaliação.