News

Uso da tecnologia muda comportamento masculino de cuidado à saúde

De acordo com a Pesquisa Nacional de Saúde (PNS), feita pelo IBGE em conjunto com o Ministério da Saúde, homens cuidam menos da saúde do que mulheres. Os dados apontam que 63,9% dos entrevistados haviam se consultado pelo menos uma vez nos 12 meses anteriores à entrevista, enquanto entre as mulheres a porcentagem é de 78%. Por questões culturais, muitos homens acham que não estão vulneráveis e preferem nem descobrir a doença. Evitam fazer check ups e só vão ao médico pressionados pela família, esquecendo que diagnósticos precoces aumentam a possibilidade de cura.

Segundo dados do Ministério da Saúde, quase um terço dos homens brasileiros não possuem o hábito de frequentar serviços de saúde para fazer o acompanhamento de seu estado de saúde para a prevenção de doenças. Outros cuidados, como fazer atividades físicas e ter uma boa alimentação, que também são maneiras de evitar algumas doenças, não são práticas às quais os homens são adeptos. Os dados revelam também que menos de 35% dos homens brasileiros praticam atividade física suficiente e menos de 25% deles consomem a quantidade adequada de legumes e verduras. Por esses e outros fatores, a expectativa de vida das mulheres é oito anos maior que a do homem, de acordo com o IBGE.

No entanto, com o uso da tecnologia, a situação parece estar mudando a rotina dos homens, seja por meio de aplicativos que mapeiam a corrida e trocam por pontos, ou que dão dicas de como se alimentar de forma mais saudável. Com o app, fica muito mais fácil agendar consultas com os especialistas mais próximos de sua localização e é possível pagar imediatamente pelo próprio dispositivo móvel, o que facilita muito a vida dos homens que buscam cuidar da saúde e do bem-estar.

Dados do Consulta do Bem comprovam que essa praticidade faz com que homens busquem mais por consultas médicas, que já representam 54,14% dos agendamentos no app. Apesar de ser um número sutilmente mais alto do que o de mulheres, já mostra uma mudança no comportamento do público masculino. No total de agendamento de consultas, tanto pelo celular como pelo computador, os homens têm 39,91% da participação.

Outro dado que mostra que tanto homens como mulheres visam praticidade no agendamento é o fato de que 70% das pessoas pagam no cartão de crédito o apontamento no Consulta do Bem.

Além disso, é possível saber quais especialidades são mais procuradas pelos homens quando eles agendam a sua própria consulta. As especialidades mais procuradas são oftalmologia (21%), urologia (10%), psicologia (9%), dermatologia (8%) e psiquiatria (7%). Também aparecem na lista as especialidades de cardiologia (6%), clínica geral, gastroenterologia e ortopedia (todas com 5%) e proctologia (4%).

“Nossa solução para a saúde vai ao encontro da necessidade de praticidade tecnológica no momento de cuidar do corpo e da mente. Para ter hábitos de vida saudáveis, independentemente do gênero, é necessário um conjunto de fatores: boa alimentação, prática de exercícios físicos, evitar fumar e, principalmente, consultar o médico regularmente”, explica o médico cardiologista Marcus Vinicius Gimenes, CEO do Consulta do Bem. “Nossa ideia é justamente trazer praticidade no momento de agendar consultas com especialistas de qualidade”, finaliza.