News

Apple envolve milhares de clientes em 3 estudos de saúde

A Apple lançou nesta quinta-feira, 14, três estudos observacionais – focados em mobilidade, menstruação e audição -, com o objetivo de inscrever centenas de milhares de pessoas e monitorá-las virtualmente usando seus próprios iPhones e Apple Watches.

A Apple permitirá aos participantes controlar quais tipos de informações eles compartilham e excluir dados dentro de 24 horas após a coleta. A empresa pode, no entanto, usar os dados do estudo coletados para refinar seus algoritmos; por exemplo, poderia buscar correlações entre dados da frequência cardíaca e dados da atividade – quantas etapas você toma, quantas vezes você se mantém ou quantas vezes se exercita – para tentar melhorar as notificações enviadas aos usuários do Apple Watch com ritmo cardíaco irregular ou uma frequência cardíaca alta. A empresa prometeu não vender os dados coletados nos estudos.

Ao contrário dos modelos tradicionais que recrutam inscritos para o estudo, os da Apple atrairão os participantes por meio do aplicativo Research, disponível recentemente para download na loja de aplicativos da Apple.

Nos três estudos, os inscritos devem ter no mínimo 18 anos ou alguns anos, dependendo do estado de residência; eles serão solicitados a consentir novamente na pesquisa após dois anos. A Apple estabeleceu metas de inscrição agressivas para cada estudo:

O Estudo do Coração e Movimento da Apple tem como objetivo matricular 500 mil pessoas nos próximos 5 anos. Para se inscrever, os participantes devem ter um Apple Watch para registrar seus treinos e movimentos diários.

O Estudo de Saúde das Mulheres quer que 1 milhão de pessoas se inscrevam nos próximos 10 anos. Para serem elegíveis, os participantes devem ter menstruado pelo menos uma vez na vida. Eles deverão acompanhar seus ciclos menstruais e responder a perguntas regulares da pesquisa.

O Estudo de audição da Apple visa inscrever 150.000 pessoas nos próximos dois anos. Os participantes serão convidados a concluir os testes auditivos, enquanto seus dispositivos Apple detectarão e medirão ruídos altos em seu ambiente.

A Apple, o único patrocinador dos três estudos, fará parceria com os Institutos Nacionais de Saúde e a American Heart Association, além das principais instituições médicas acadêmicas, incluindo a Harvard T.H. Chan School of Public Health e Hospital Brigham and Women´s em Boston e Universidade de Michigan.

Os estudos estão sendo anunciados como observacionais – destinados a monitorar as pessoas em vez de atendê-las com uma intervenção – embora o estudo de saúde auditiva tenha um componente de intervenção. Para esse estudo, os pesquisadores planejam dividir aleatoriamente os participantes em dois grupos – um que recebe notificações quando um ruído alto é detectado e o outro que não recebe notificações – para ver se eles se comportam de maneira diferente quando se trata de exposições futuras a ruídos.

O lançamento dos três estudos da Apple no aplicativo Research é uma extensão da iniciativa ResearchKit, lançada em 2014, para permitir que pesquisadores acadêmicos e do setor usem o código da Apple como modelo para criar seus próprios aplicativos e recrutar participantes para seus próprios estudos. Um dos aplicativos criados dessa maneira foi para o Apple Heart Study, no qual a Apple registrou mais de 419.000 pessoas.

Os resultados desse estudo, realizado em parceria com pesquisadores da Universidade de Stanford, foram revelados em uma grande reunião de cardiologia em março passado; eles mostraram que o Apple Watch pode detectar alterações importantes no ritmo cardíaco. No total, 0,5% – ou 2.161 pessoas – foram informadas de que poderiam ter fibrilação atrial, uma arritmia que aumenta o risco de derrame e outras condições.