News

Bill Gates alerta que impacto do coronavírus pode ser dramático

Na reunião anual da Associação Americana para o Avanço da Ciência, Bill Gates, lendário fundador da Microsoft, fez uma palestra onde se diz otimista sobre o potencial da tecnologia para enfrentar alguns dos maiores desafios do mundo, mas atingiu um tom ameaçador na sexta-feira, 14, ao discutir a ameaça representada pelo coronavírus à medida que o surto ultrapassa os melhores esforços de médicos e profissionais de saúde.

O impacto pode ser “muito, muito dramático”, principalmente se se espalhar para áreas como a África subsaariana e o sul da Ásia, disse o bilionário filantropo, dirigindo-se a uma audiência. Ele chamou de “potencialmente uma situação muito ruim”, informa o site Geek Wire.

Enquanto ele falava, surgiram notícias de que o primeiro caso de coronavírus havia sido confirmado no continente, uma vez que uma pessoa no Egito testou positivo para a doença.

Falando sobre porque a inteligência artificial e a edição de genes podem salvar o mundo, explicou que “este é um grande desafio. Sempre soubemos que o potencial de uma pandemia causada naturalmente ou intencionalmente é uma das poucas coisas que podem atrapalhar os sistemas de saúde, as economias e causar mais de 10 milhões de mortes em excesso”.

Gates apontou avanços nas ferramentas de diagnóstico molecular como uma salvaguarda promissora contra esses surtos. “Estamos à beira, na ciência, de poder fazer boas ferramentas para fazer o diagnóstico, fornecer vacinas para fornecer terapêuticas, incluindo antivirais”, disse ele.

A Fundação Bill & Melinda Gates comprometeu recentemente US$ 100 milhões no combate ao coronavírus, como parte de seus esforços mais amplos na saúde global.

“Nossa fundação está muito engajada em termos das relações que mantemos com os governos e o setor privado para orquestrar e fornecer recursos e, esperamos, conter essa epidemia”, afirmou.

Referindo-se aos avanços e reduções de preço nas ferramentas de diagnóstico molecular, Gates afirmou que “certamente a boa notícia é que apenas os velhos avanços horizontais na maneira como fabricamos essas ferramentas nos ajudarão”.

“Temos um plano para obter essas máquinas bastante difundidas nos países em desenvolvimento”, disse ele, referindo-se ao trabalho da Fundação Gates e de seus parceiros. Dentro de uma década, o mundo estará em melhor situação devido à maior capacidade de diagnóstico. A capacidade de criar novas vacinas deve ajudar também, acrescentou.

“Houve um enorme subinvestimento em terapêutica, particularmente antivirais”, disse, acrescentando que acredita que a China poderia “acelerar” nesse sentido, uma vez que a crise atual passe. “Espero que não demore muito agora”.