News

Britânica DeepMind e Google desenvolvem pesquisa de IA e aplicativos

A britânica DeepMind está se juntando ao Google Health para explorar conhecimentos em áreas como inteligência artificial, desenvolvimento de aplicativos, segurança de dados e armazenamento em nuvem.

Nos últimos três anos, a DeepMind construiu uma equipe para lidar com problemas complexos na área da saúde. Juntamente com as equipes do Google, o DeepMind trabalhará para criar produtos que dão suporte às equipes de atendimento e melhoram os resultados dos pacientes.

“Durante meu tempo trabalhando no Serviço Nacional de Saúde do Reino Unido (NHS) como cirurgião e pesquisador, vi em primeira mão como a tecnologia poderia ajudar ou atrapalhar o importante trabalho de enfermeiros e médicos”, disse Dominic King, líder local do Reino Unido na Google Health.

“É notável que muitos médicos da linha de frente, mesmo nos hospitais mais avançados do mundo, ainda dependam de sistemas de desktop e pagers desajeitados que tornam desafiadora a prestação de assistência ao paciente rápida e segura”, disse.

O DeepMind e o Google Health terão como objetivo desenvolver ferramentas que possam ajudar a prevenir sepse e lesão renal aguda. Ao unir forças com o Google Health, o DeepMind aumentará seus muitos projetos destinados a melhorar o atendimento ao paciente. A empresa desenvolveu recentemente uma ferramenta de suporte à decisão clínica que pode identificar com precisão mais de 50 doenças oculares.

Atualmente, os profissionais de oftalmologia usam exames de tomografia de coerência óptica (OCT) para ajudar a diagnosticar problemas oculares. Essas imagens em 3D fornecem um mapa detalhado da parte de trás do olho, mas são difíceis de ler e precisam de análises especializadas para serem interpretadas.

O tempo necessário para analisar essas verificações, combinado com o grande número de verificações pelas quais os profissionais de saúde precisam passar (mais de 1.000 por dia apenas em Moorfields), pode levar a longos atrasos entre a verificação e o tratamento – mesmo quando alguém precisa de cuidados urgentes . Se eles desenvolverem um problema repentino, como um sangramento na parte de trás do olho, esses atrasos podem até custar aos pacientes a visão.

A empresa também fez parceria com o VA para usar o aprendizado de máquina para desenvolver ferramentas de análise preditiva. O projeto teve como objetivo identificar e prevenir a deterioração do paciente e melhorar os resultados.

“No lado da pesquisa, vimos grandes avanços com o Hospital de Olhos Moorfields NHS Foundation Trust na detecção de doenças oculares de exames com a mesma precisão que os especialistas; com a Fundação NHS da University College London Hospitals no planejamento do tratamento de radioterapia para câncer; e com o Departamento de Assuntos dos Veteranos dos EUA para prever a deterioração do paciente até 48 horas antes do que é possível atualmente ”, explicou.