News

Inteligência artificial vai transformar o trabalho de 1 em cada 3 hospitais, prevê IDC

Nos próximos cinco anos, as organizações de saúde e ciências da vida se concentrarão no próximo nível de transformação digital, incluindo inteligência artificial e implementação avançada de análise de dados, de acordo com um relatório recente da IDC FutureScape.

“As previsões mundiais do setor de saúde para 2020 destacam a evolução das organizações de saúde e ciências da vida na corrida para se tornarem futuras empresas”, disse Mutaz Shegewi, diretor de pesquisa da IDC Health Insights.

A adoção da inteligência artificial (IA) na área da saúde é extremamente vital, especialmente para decifrar oportunidades e implicações no aumento do talento e da humanidade. A IDC prevê que 30% das decisões clínicas e de negócios das organizações de saúde e ciências da vida serão informadas pelas ideias da IA ​​em um futuro próximo.

Atualmente, as organizações em todo o mundo estão investindo em IA para automatizar o trabalho. A colaboração homem-máquina e insights orientados por IA de diversos conjuntos de dados, incluindo registros eletrônicos de saúde, testes de laboratório, imagens médicas, estudos clínicos e outras fontes podem ajudar no diagnóstico e fornecer opções de tratamento personalizadas no nível do paciente, enfatizou o relatório.

A IDC previu que a colaboração homem-máquina e as interfaces orientadas por IA revolucionarão o futuro do trabalho em um dos três sistemas de saúde e hospitais até 2023. O gasto mundial em IA para funções de diagnóstico e tratamento está crescendo a um CAGR de 24% e é esperado atingir 4,9 bilhões em 2023, segundo o relatório.

A consultoria também previu que, até 2021, as organizações de saúde que alavancarão a tecnologia para integrar todas as dimensões da saúde para oferecer atendimento personalizado crescerão para apenas 50%. Além disso, uma pesquisa recente da IDC constatou que pouco mais de 55% dos contribuintes e fornecedores dos EUA indicaram que receberam benefícios quantitativos de seus contratos de risco. Os sistemas de saúde precisam atender a um espectro completo de necessidades individuais que “incluam a integração de serviços comportamentais e sociais / humanos com atendimento clínico”.

Uma chave para melhorar com êxito os resultados clínicos é a capacidade de permitir mudanças no comportamento do paciente, especialmente aqueles com condições crônicas. O atendimento coordenado pode ajudar no fluxo de integração de dados em diferentes domínios, o que cria um acesso mais fácil ao atendimento. Mas o sucesso depende da tecnologia certa.

As organizações percebem a importância de serem orientadas por dados, especialmente tendo os dados certos no momento certo. Especificamente, a IDC previu que 20% da saúde e 30% das organizações de ciências da vida terão alcançado a excelência dos dados por meio de análises avançadas de dados e núcleos inteligentes que suportam a colaboração homem-máquina até 2020.

A excelência dos dados é vital para responder efetivamente aos desafios da era digital e é um esforço para harmonizar e tratar os dados como um ativo com “atenção particular ao gerenciamento e à qualidade dos dados, para permitir recursos inteligentes e diferenciação inimitável”.

Um dos principais desafios para a excelência dos dados é garantir que os recursos de TI e todos os aspectos de governança e conformidade de segurança estejam presentes em toda a empresa e melhorem continuamente, de acordo com o relatório. A equipe e os sistemas de TI desempenharão um papel de destaque na modelagem de dados que mantêm a mais alta qualidade, privacidade e uso apropriado em casos de uso clínico e operacional.

Embora a excelência dos dados seja um desafio, ela prova ter um impacto generalizado que suporta a colaboração entre humanos e máquinas.

Os pesquisadores também expressaram previsões para planos de saúde e empresas farmacêuticas. Por exemplo, mais de 50% dos fabricantes de produtos farmacêuticos e de biotecnologia empregam análises prescritivas ou IA usando dados da IoT para otimizar suas cadeias de suprimentos até 2021.

Além disso, respondendo ao aumento dos custos com saúde e às pressões do consumidor, serão oferecidos “planos de benefícios de um” em 30% dos planos de saúde para consumidores engajados até 2022.

“As futuras empresas rompem com as práticas tradicionais do setor de saúde adotando a transformação digital em grande escala. Essas organizações determinadas digitalmente organizam-se em torno da transformação digital de alto valor e alto crescimento, que utiliza vasos onde a reinvenção se torna comum e as operações estão em hiperescala, hiper-velocidade e hiperconectada”, destacou Shegewi.