News

Mercado de implantes dentários continua em ascensão no Brasil

Com quinze anos após sua fundação, a S.I.N. Implant System continua sua trajetória de expansão global. O CEO Felipe Leonard conta que em alguns países do mundo, a brasileira detém 50% de participação no mercado. Até o final de 2019, o mercado brasileiro de implantes dentários e componentes deve movimentar cerca de R$ 590 milhões. Desse total, a S.I.N. Implant System responderá por 22% dos itens vendidos.

Já faz algum tempo que o brasileiro tem investido especialmente nos cuidados com os dentes. As campanhas de conscientização na área da odontologia alertam que, para além da estética, uma dentição bem cuidada é sinônimo de saúde e qualidade de vida. “A disseminação das informações sobre novas tecnologias a custos mais acessíveis são fatores que têm contribuído para ampliar o número de tratamentos na área da implantodontia”, explica Leonard.

Ele adianta alguns planos da empresa a curto prazo: “Queremos conquistar a Europa e a América Latina. Nessas áreas, o valor total do negócio de implantes supera os USD 1,3 bilhões. Nós temos participações bastante expressivas em vários mercados desses países, chegando a ter 5%, às vezes 10% e, em alguns desses locais chegamos próximos aos 50%.”

Mas, na avaliação do CEO, ainda há bastante espaço para o incremento da expansão global. “Considerando o volume geral de Europa e Estados Unidos, ainda temos potencial gigante de crescimento, já que o nosso market share não supera 1% do total. A isso deve se somar mais oportunidades em regiões onde ainda não estamos presentes, como África, Índia e Sudeste Asiático.”

A previsão de desenvolvimento do segmento, portanto, é enorme. “Estimamos crescer entre 20% e 30% no Brasil, e dobrar o nosso negócio em âmbito internacional”, afirma Leonard. “Nossa estratégia se baseia na qualidade dos produtos que fabricamos. Por isso, investimos muito em pesquisa e tecnologia”, explica o executivo.

Democratização dos implantes dentários

Há cerca de 20 anos, segundo dados da Associação Brasileira da Indústria de Artigos e Equipamentos Médicos, Odontológicos, Hospitalares e de Laboratórios (Abimo), o implante custava cinco vezes mais do que hoje.

O valor está mais acessível ainda por conta dos tipos de materiais empregados. O preço final é ajustado com base neles e, também, nas características dos implantes.

No mercado global e diante da concorrência, o Brasil sai na frente em relação a players de outros países, por conta do grande desenvolvimento da S.I.N. Implant System nacional, com excelentes profissionais. “O mercado brasileiro ocupa a segunda colocação em vendas de implantes no mundo, só perdendo para os Estados Unidos”, conta Leonard.

Números da perda de dentes no Brasil

Informações divulgadas pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) revelam que 39 milhões de pessoas no País usam próteses dentárias, sendo que uma em cada cinco dessas tem de 25 a 44 anos. Já aos 60 anos, 41,5% das pessoas já perderam todos os dentes. “Parte desse público é que irá se beneficiar, tanto do ponto de vista físico como do emocional, quando se utiliza a tecnologia do implante na recuperação da dentição”, finaliza o presidente da S.I.N.